Novos incentivos para a Telemedicina

Procuro acompanhar sempre que possível as inovações que estão revolucionando a área de saúde. Não somente por ser este nicho que pertenço, mas pelas oportunidades e descobertas que são fascinantes. Acredito que Healthcare será mais impactada por tecnologias como Machine Learning, Cloud, Inteligência Artificial, Big Data, Computação Quântica, Wearables, IoT, etc.

Estamos prestes a nos deparar com uma revolução de como as doenças são identificadas, monitoradas e tratadas. Ferramentas novas, trazem novas dinâmicas para apoiar gestores e profissionais e aí entra em perfeita sinergia a Telemedicina.

Hoje o Brasil é considerado um dos mercados mais lucrativos da América Latina no nicho de saúde e alguns indicadores apontam para este direcionamento tanto para agora como para o futuro:

  • Estamos tendo um grande envelhecimento da população brasileira;
  • O gasto com saúde, tem consumido 9,3% do PIB, com aumento progressivo;
  • Somos o 6° maior mercado mundial, com previsão de chegar a 5° em 2020;
  • Somos o 5° maior consumidor mundial de serviços farmacotécnicos.

Players estrangeiros, com a abertura do mercado para capital, apostam no país. Instituições brasileiras colocam suas fichas em apostam em inovações para se tornarem relevantes. Iniciativas como tecnologia cognitiva, IBM Watson, Chatbots, Cloud Healthcare, fusões e aquisições tentam aumentar a produtividade e a eficiência.

Segundo Armando Lopes, CEO da Siemens Healthineers do Brasil:  “Somos o sétimo maior mercado em diagnósticos e acreditamos no enorme potencial de pesquisa e inovação do país.

O próprio Grupo Hermes Pardini, pela primeira vez participando do “Valor Inovação Brasil 2017” realizado pelo Valor Econômico destaca o Grupo como a quinta empresa mais inovadora do país em serviços médicos, ficando em 87ª no Ranking Nacional, deixando até mesmo Cisco e Volvo para trás. Fica claro que a inovação na área de saúde tem se tornado pauta cada vez mais importante dos Executivos.

Fazendo uma aposta

Apesar de meu grande interesse em startups na área de saúde, vejo poucas iniciativas no Brasil em Telemedicina, ao contrário do que vejo no exterior, por isso acredito que a Telemedicina será a bola da vez. Ela vem evoluindo drasticamente nos últimos anos, trazendo profundas melhorias na assistência ao paciente. Com tecnologias e dispositivos cada vez mais acessíveis, flexíveis e multitarefas, sendo enriquecida com o crescimento das telecomunicações, APIs inteligentes, IoT, Big Data e Cloud Healthcare, veremos esta área crescer vertiginosamente, não somente na área de análises clínicas, mas em hospitais chegando até os consultórios de forma irreversível.

Outro indicativo interessante é as iniciativas de startups, ou incubadoras especialmente focadas na área de saúde, estão começando a incentivar novas ideias neste mercado. Mas também é importante incentivar a mentalidade inovadores dentro de grupos já consolidados, reduzir um pouco a forma do raciocínio tradicional, as vezes cartesianos demais para permitir mudanças e pensar em redesenho de processos internos já pode ser uma grande oxigenada. E mais uma vez temos que torcer que a ANVISA ajude a fazer esta iniciativa crescer no pais e não dificultar.

Deixe uma resposta