O Facebook deixa você triste

Estudos de duas universidades americanas comprovaram que, quanto mais tempo uma pessoa passa no Face, mais infeliz ela fica. E quanto mais amigos online ela tem, mais narcisista e agressiva tende a ser.

Cobaias involuntárias

Em junho de 2014, surgiu um artigo científico de arrepiar. Assinado por um cientista da Universidade de Cornell e por pesquisadores do Facebook, ele contava como o site manipulou a timeline de 689.003 pessoas, ao longo de uma semana, sem que elas soubessem. O objetivo era saber se, mexendo no conteúdo da timeline, o Facebook conseguiria alterar o humor dos usuários. A resposta foi sim. Quando o Facebook omitia posts alegres, as pessoas ficavam mais tristes – usavam mais palavras negativas em suas mensagens. E vice-versa. A conclusão do estudo é clara: ”As mensagens online influenciam nossas emoções e comportamento”. Assim que ele foi publicado, o Facebook recebeu uma saraivada de críticas. Algumas diziam que o estudo violou a ética científica (porque não se pode transformar alguém em cobaia sem o consentimento da pessoa), outras que a experiência foi simplesmente cruel. O Facebook alegou que, quando criaram seus perfis no site e aceitaram os ”Termos de Uso”, as pessoas haviam automaticamente consentido em participar do estudo. Mas pediu desculpas pela experiência.

O Facebook continua manipulando o que você vê na sua timeline. Isso é definido por um algoritmo que se chamava EdgeRank, foi criado pelo próprio Face e originalmente seguia três critérios: afinidade (o quanto você interage com o autor daquele post), engajamento (número de likes, comentários e compartilhamentos que o post teve) e tempo (notícia velha não tem vez). Hoje, o algoritmo é muito mais complexo – segundo o Facebook, calcula mais de 100 mil variáveis, ajustadas de acordo com cada usuário. A empresa não diz quais são, inclusive por um segredo comercial – do contrário, o algoritmo poderia ser copiado por outras redes sociais. Mas há quem diga que o sigilo também é uma maneira de adulterar o conteúdo distribuído aos usuários para lucrar em cima disso (leia na reportagem a seguir). ”O Facebook está na fronteira do eticamente questionável. Às vezes ele é ético, às vezes é antiético. Ele te dá benefícios, mas cobra por isso”, diz Raquel Recuero, professora de comunicação da Universidade Católica de Pelotas e pesquisadora de redes sociais.

É comum ver usuários do Facebook desconfiados com as políticas da empresa, ou temerosos de que ela tenha informações demais. Se você é um deles, há uma boa maneira de buscar respostas: solicitar o download de todas as informações que o Facebook coletou sobre você. Eu fiz isso, é fácil (veja quadro ao lado). Recebi um pacote de arquivos que totalizavam 28 megabytes. Todas as fotos e vídeos que eu publiquei na rede estavam lá. Todos os meus chats, todas as cutucadas que eu recebi (uma única, em 5 de setembro de 2014, de uma pessoa que eu não conheço – fiquei chateado), todos os eventos para os quais fui convidado, incluindo os que eu ignorei. Se eu tivesse um post privado (não publicado), estaria lá também. Posso ver todas as atividades do meu mural e até coisas que fiz em outros serviços. Posso ver as músicas que ouvi no Rádio, em que dia, hora e ordem, pois minha conta nesse serviço de streaming está conectada ao Facebook.

O prontuário tem muita coisa. Mas não tem uma coisa extremamente importante: a lista com os sites que eu visitei. Porque, sim, o Facebook sabe por onde eu andei na internet. Sabe quando você entra num site, qualquer um, e ele tem um botãozinho que permite dar like em alguma coisa? Esse botão é uma conveniência para você, e um mecanismo de monitoramento para o Facebook: quando você entra naquela página, ele fica sabendo (mesmo se você não apertar o botão de like). Esse sistema serve para que o Facebook mostre anúncios relacionados às coisas que você pensa em comprar. Se você entra numa loja virtual e procura uma geladeira, por exemplo, essa informação é passada para o Facebook – que passa a exibir anúncios de geladeiras. ”O Facebook poderia tomar ações mais fortes para permitir que as pessoas tivessem mais privacidade. Mas isso vai contra o modelo de negócio dele”, diz Recuero. O mecanismo está presente em grande parte da internet, inclusive em sites que nada têm a ver com comércio eletrônico, e permite que o Face grave os seus passos pela web, silenciosa e ininterruptamente.

Deixe uma resposta