Projeto Web Segura

Google é processado nos EUA por coletar sem consentimento dados de usuários

By 17 de maio de 2013 No Comments

googleVários usuários de dispositivos Android assinaram uma versão modificada de uma ação judicial que acusa o Google de coletar e permitir que outros coletassem, de forma ilegal, grandes quantidades de dados de usuários móveis sem a devida notificação ou consentimento.

O processo, aberto na semana passada no Tribunal Distrital do Distrito Norte da Califórnia, é uma versão atualizada de um processo de janeiro de 2012.

De acordo com William Audet, advogado dos demandantes no caso, o objetivo é fazer com que o Google forneça a divulgação completa de suas práticas de coleta de dados e de desenvolvedores de aplicativos Android. “A empresa recolhe dados pessoais em troca do uso de aplicativos por parte do consumidor.”

A denúncia de 36 páginas acusa o Google de colocar portas no Android que permitem aos desenvolvedores de aplicativos de terceiros coletar uma ampla gama de dados de usuários móveis e seus dispositivos. Entre esses dados, geolocalização, idade e sexo, códigos postais, profissão, IDs de dispositivos e outras informações de identificação pessoal.

“As pessoas não sabem a quantidade de dados que estão entregando quando baixam esses aplicativos de graça”, disse Audet. Ele acrescentou que é responsabilidade do Google garantir que os aplicativos disponibilizados por meio de sua loja de aplicativos móveis não coletem e compartilhem ilegalmente dados do usuário.

As políticas de privacidade do próprio Google não informam os usuários sobre o que os desenvolvedores fazem. Muitas vezes, os usuários baixam aplicativos com base na política do Google, disse. Muitos usuários não fariam o download se soubesse o que entregam ao desenvolvedor.

A denúncia também acusa o Google de usar suas ferramentas de análise e outros serviços para coletar informações do usuário para fins publicitários segmentados e vender para terceiros.

Além disso, o Google é acusado de tomar “medidas afirmativas” para limitar a capacidade dos usuários de bloquear essa coleta  e monitoramento. Como exemplo, a suposta retirada da Play de uma ferramenta de bloqueio de anúncios chamado Adblock Plus.

Fonte: Jaikumar Vijayan, Computerworld (US)

Deixe uma resposta