Ir para o conteúdo principal

Estamos vendo nestas últimas perolas contextos de infraestruturas de tecnologia. E agora vamos entender o modelo On Premise. Vamos detalhar vantagens e desvantagens desse modelo e comparar um pouco com a opção Cloud que já falamos em pérolas anteriores.

Pense comigo no seguinte cenário, você planeia atender as necessidades de um sistema de gestão para sua organização, ou um ambiente para desenvolvimento e também necessita de local para centralizar seus arquivos, controle de acessos dos utilizadores, centralizar o acesso a rede e a internet. É natural pensar em montar um pequeno data center ou a sala de servidores.

Esse modelo de internalizar sua infraestrutura de TI, onde tudo fica sobre sua responsabilidade, da se o nome de On Premise. Mas internalizar seus servidores, implica em uma série de detalhes que precisam ser contemplados para evitar aborrecimentos futuros. E o tamanho deste desafio é proporcional ao tamanho do seu datacenter.

Apesar desta ser a forma mais tradicional de infraestrutura, normalmente, se não se ater aos detalhes sua infraestrutura cresce um pouco sem planeamento, mas precisam estar no contexto:

  1. O investimento inicial;
  2. A infraestrutura física;
  3. Os custos indiretos;
  4. A segurança física e a digital;
  5. E a disponibilidade

O investimento inicial no modelo On Premise é o que apresenta custo-benefício que deve ser pensado a longo prazo. E tenho como base, investimentos em TI, que devem ser mensurados entre três à cinco anos.

Tem que estar no âmbito de um projeto On-Premise, o custo do hardware, isso é, racks ou bastidores, servidores, cabeamentos, switchs e roteadores, mas também tem que estar, licenças do sistema operacional, do banco de dados, da framework de desenvolvimento e seus equivalentes. E não podemos nos esquecer de forma alguma do espaço físico. Onde serão instalados fisicamente estes equipamentos.

Outros custos que não podem ser deixados de lado, para o correto funcionamento são:

  1. Sistemas que ainda precisam ser contemplados, como softwares de antivírus, os serviços de backup, questões de proteção dos dados;
  2. Os Administradores de Sistemas; que é quem vai cuidar de tudo isso;
  3. Equipa de Suporte; que é quem vai auxiliar na resolução dos problemas e dos utilizadores desta infraestrutura;

A infraestrutura fisica, neste âmbito, tambem deve ser contemplada, ou seja, o ar condicionado, para ter a temperatura controlada, sistema contraincêndio, controle de energia elétrica, com utilização de no breaks e tolerância a falhas de todo o parque físico.

Os custos indiretos, tais como as manutenções, atualizações e reparos necessários, pois estes equipamentos deverão ter ações preventivas e corretivas. E não estamos falando somente dos servidores, tenha em mente a infraestrutura fisica apontado anteriormente.

A segurança física, assim como a segurança digital.

Segunda o Gartner, muitos de problemas de segurança são originados internamente. As vezes por falta de atenção dos utilizadores da rede, pois podem abrir um anexo de email duvidoso, ou mesmo dos próprios profissionais da TI, envolvidos nos processos diários que devem zelar pela segurança das informações e podem se descuidar.

No modelo On Premise estas responsabilidades ficam todas internas sem auxílio de especialistas externos. Também precisam estar em pauta a questão da disponibilidade. Os negócios normalmente trabalham com informações sensíveis.

Quanto a disponibilidade, precisa-se entender que, quando um servidor on-premise precisa de mais recursos, e já se encontra no limite, a aquisição de novos discos ou mais memória para upgrade, pode demorar dias, ou mesmo semanas para aquisição, se pensarmos no processo natural de cotação e compra. Podendo até mesmo se deparar com a indisponibilidade por parte dos fornecedores, o que pode ser um grande problema.

O que em ambiente cloud não acontece, ou os riscos de disponibilidades pode ser mitigados de maneiras mais rapidas e faceis.

Algumas das principais vantagens de sua usar on-premisse em seu ambiente são:

  1. Se busca investimentos com retorno a longo prazo e tem previsão de estabilidade de plataforma durante este período, On Premisse pode ser uma grande vantagem;
  2. Se possui uma equipa interna especializada de TI;
  3. Você controla toda a operação e possui maturidade nas tecnologias envolvidas. De software, hardware, questões de segurança, etc.;
  4. Interdependência de internet. Ou melhor dizendo, as vezes, sua operação, esta em uma localidade geográfica que tem poucos recursos de internet e para Cloud isso é um problema;
  5. Requisitos altos de segurança, ou mesmo a obrigatoriedade de obdecer regulamentos ou legislações sobre a proteção dos dados como a LGPD. Pois o controle de acesso e o armazenamento interno normalmente é mais confiavel que o armazenamento externo.

Não estou com o objetivo de dizer que a On Premise é melhor que a Cloud ou vice-versa. O que quero que entenda são os detalhes de cada uma destes recursos. Com está perola acredito que já consiga entender contextos de infraestruturas de tecnologias. As arquiteturas em Cloud e On Premise.

Na próxima perola iremos conhecer um pouco sobre infraestrutura hibrida, que pode ser uma excelente opção em somar as vantagens destas duas arquiteturas.

Então nos vemos na próxima pérolas.

Deixe uma resposta